03:37:13

Alagoas tem um dos melhores grupos de dança e música cigana do país PDF Imprimir E-mail
Escrito por Jhade Mattos   
Sáb, 21 de Junho de 2008 13:40

O Leshjae une beleza, sedução e ritmo em seus grandes espetáculos com cerca de 15 integrantes...

 

Apesar de todo o preconceito social sofrido pelos os ciganos, todos reconhecem a magia, a alegria da música e dança desse povo tão peculiar. E é justamente disso que nos fala Ruiter Djurdjevjch, líder do grupo de dança e de música Leshjae. Encante-se você também com o trabalho deles!

les  


Como surgiu o grupo Leshjae?
Em meados de 2007 quando cheguei a Maceió para casar com minha prima, e vindo do eixo Rio–São Paulo, onde o movimento artístico cigano é forte, senti uma necessidade de fazer um trabalho mais específico, voltado única e exclusivamente para a arte cigana. Em uma conversa com meu Tio, pai de minha esposa, eu pude perceber que não só na minha família a cultura estava morrendo, mas em outras famílias ciganas também, os jovens só querem saber de forró e música enlatada americana ou baiana. Foi quando conhecemos uma gadji que praticava a dança “cigana” a mais de 10 anos no estilo espanhol (flamenco), e resolvemos juntos a criar um grupo onde pudéssemos mostrar com música e dança, toda a trajetória artística do povo cigano, desde a índia, passando pelo Egito, leste europeu, península ibérica e finalmente o Brasil, onde a dança não possui muita influência folclórica, apesar de que o folclore brasileiro tem muita influência cigana e não só africana.

Quais as principais atividades do grupo?
Além de nossas apresentações, ministramos aulas no estilo rommané com folclores variados de diversos países, workshops de ritmos e história e nos engajamos em apoiar trabalhos sérios a favor do povo cigano, no Brasil e no mundo todo, independente de qual “clã” ele pertence.

Qual o principal objetivo do grupo?
Costumo dizer que poderei me juntar aos meus antepassados em paz quando nesta vida ouvir meu filho dizer em alto e bom som, a qualquer pessoa, que é um orgulho ter nascido cigano, e as pessoas não o julgarem por isso, acredito que muito está mudado desde a época de meus avós, mas também acredito que muito ainda deve ser feito, tentamos diminuir essa diferença através da arte romani, que é sem sombra de dúvida, nossa maior magia.

Quem são os integrantes? Todos são de Alagoas?
O grupo é formado por mim, Carioca, (vocal, violão base, cajon e derbake e sou bailarino sempre que posso além de compositor), sou designer por profissão e cuido também da “cara” do leshjae; Anne Kellen, minha esposa é alagoana, coreógrafa, bailarina e produtora cultural do grupo; Bella, alagoana, bailaora flamenca e violão base; Vania Barros, alagoana, compositora e bailarina; Fabio ”Pepe”, alagoano, violão solo, arranjo, flauta, escaleta; Kleber “Sano”, violão base, flauta transversa, Nejde “Mel”, sergipana, que trouxe suas filhas Jngrid “morena” e Jvana Caroline, como bailarinas; ainda temos Neide “Hanna” e sua filha Geysa, ambas de Alagoas, e bailarinas; Eliane Ferro, alagoana, bailarina; Lizianne, alagoana; e Leyla Samira, alagoana, completa nosso corpo de baile.

Como são as apresentações do Leshjae? O que os diferencia?
O nosso show essencialmente é ao vivo com composições do grupo e complementamos a apresentação com músicas da comunidade cigana do mundo inteiro, e como nosso público em sua maioria é de não ciganos, temos composições em português também, pois um dos objetivos do Leshjae é o de estreitar laços, e temos a convicção de que a música deve atingir não só os ouvidos, mas ressoar dentro dos corações e permitir que nossa música esteja com as pessoas mesmo longe de nós, é um grande orgulho para o grupo ver alguém cantarolando “rosas vermelhas”, por exemplo. Outro diferencial é que, pelo fato de termos dentro do grupo, ciganos, com acesso a outros ciganos ao redor do mundo, é o que nos permite montar as coreografias sem perder a essência de cada folclore apresentado. Ou seja, assistir a uma apresentação do Leshjae, é viajar pelo mundo sem sair do lugar. Nossa maior preocupação é para com a fidelidade das tradições ciganas, sem fantasias.

De que forma o trabalho do Leshjae acontece em Alagoas?
Bem, como não existem trabalhos como o nosso aqui, e nós não somos uma “escola” (apesar de termos bailarinas que ministram aulas para escolas de dança) nós conseguimos colocar o Leshjae no circuito das danças de arte do estado, onde participamos de diversos eventos culturais, mostras e apresentações privadas (festas, restaurantes, eventos sociais). E pretendemos lançar um CD de músicas para divulgar nosso trabalho, esse lançamento está previsto para o fim deste ano, em uma grande festa organizada por nós.

O que significa o nome “Leshjae”?
O nome Leshjae apareceu de uma conversa entre mim, minha esposa, Bella e a Sra. Nelma Jatobá, dona do estúdio Gitanos (espaço onde ensaiamos em Maceió). O nome Leshjae na verdade nos escolheu, pois havia feito uma lista de nomes e queríamos um nome que nos protege-se, que cuidasse de nós, foi aí que fora da lista surgiu na minha cabeça, Guardião, Protetor, em romanes, LESHJAE. E este nome vem nos protegendo, só o nome Leshjae sussurrado por mim em nossa música homônima, já representa nossa essência.

Vocês têm descendência cigana? De qual clã?
Bem, eu e minha esposa, somos primos legítimos, descendentes de Lovaris, de origem húngaro/russa.

Como é a vida cigana em Alagoas? Em que condições os ciganos vivem aí?
Dentro da capital, Maceió, os ciganos são sedentários, vivem em casas, e levam uma vida aculturada, em alguns municípios formam ruas inteiras, trabalham, estudam e também fazem trabalhos artísticos, como os primos de Penedo, que participaram do Prêmio João de Torres deste ano. No interior do Estado, existem grupos que vivem nômades no sertão, como os tarabataras, que a última notícia que chegou até a mim, foi que eles estavam em Carneiros, é uma vida duríssima, pois além de ciganos, são sertanejos que convivem com toda a dificuldade do sertão nordestino. Saúde sempre para seu Francisco e família!

Como é a relação dos ciganos com os gajdos em Alagoas? Qual a experiência do grupo?
Apesar de ser um Estado pequeno, por mais incrível que pareça, os alagoanos ignoram a existência de ciganos no Estado, sempre que nos apresentamos somos recebidos com surpresa, e perguntam sempre se somos de fora e de onde viemos. Mas, fora do “glamour” das apresentações, existe sim o preconceito para com o povo, às vezes direto, não velado, um exemplo é que certa vez, fui comprar água com meu pai e meu tio, e a dona do estabelecimento disse que não poderia me vender nada, pois ela não servia a servos de Caim e que eu me retirasse do estabelecimento dela pois estava a prejudicando demais, em outro caso fui acusado de roubar uma gadji que gritou no supermercado: “tu é cigano não é? Todos sabem que ciganos são ladrões!”, preciso dizer que isso me machuca até hoje, mas que ao mesmo tempo me dá forças para tentar mudar este panorama aqui em Alagoas, enquanto eu aqui estiver.

Como vocês vêem a Cultura Cigana no Nordeste?
Infelizmente aqui no nordeste, a Cultura Cigana vem morrendo, já não se vê mais as mulheres fazendo Draba na rua, com tanta freqüência, alguns são evangélicos, outros mantém pequenos negócios no interior dos estados e outros se sedentarizaram de tal forma que não se dizem mais ciganos. Com muito esforço para montar as apresentações, investir em equipamentos de som e figurino para as bailarinas, queremos recuperar a cultura cigana aqui no nordeste e fazê-la ser respeitada como qualquer outra cultura, neste país multicultural que é o Brasil.

De que forma vocês participaram do Internacional Gypsy Fest? Quando e onde aconteceu o Festival?
O festival aconteceu em Trebisov, na Rep. da Eslovaquia em julho de 2010, um festival grandioso, que reuniu vários expoentes da música cigana mundial. Esma Redzipova, Katiusha Kosubek, Romanza, Karavan família, entre muitos outros. Tive a honra de ser convidado pela Embaixada Cigana do Brasil a fazer parte da comitiva, e lá fizemos um show magnífico, para uma platéia formada por 90% roms, onde fomos o único grupo em que a platéia pediu bis.

Qual a importância desta participação para o Leshjae?
Lá, tive a oportunidade de conhecer outra realidade e trocar idéias com outros roms de outros países, e vi um lugar onde não existe diferença entre clãs, eles fazem parte todos de uma mesma família, o que me colocou a beira da utopia que gostaria de ver no Brasil. O único porém é que o preconceito e o descaso é incrivelmente maior e mais impactante do que aqui no Brasil. Uma das notícias que me deixou perplexo assim que cheguei a Trebisov foi a história de uma menina cigana, que foi atacada em casa por vândalos e eles queimaram 90% de seu corpo com querozene, só pelo fato de a mãe tê-la matriculado em uma escola local. Isso é o que acontece com cada vez mais freqüência na Europa oriental. E essa experiência toda eu trouxe para o Leshjae para que o nosso grupo vivesse também esta realidade e fugisse um pouco do glamour da dança cigana no Brasil. Representamos um povo vivo e sofrido, que ainda tem o preconceito como grande barreira social.

Como surgiu esta oportunidade?
No fim de 2009 fui convidado junto com a minha esposa para ser membro benemérito da Embaixada Cigana do Brasil, convite feito pelo prof. Nicolas Ramanush, convite que prontamente aceitei, por já conhecer o trabalho sério e verdadeiro que eles vinham desenvolvendo em São Paulo. E em 2010 surgiu o convite para a embaixada representar o Brasil neste festival e convidaram-me para fazer parte da comitiva.

Além deste festival internacional, onde mais o Leshjae se apresentou?
Em tantos lugares, vamos por partes. Nos apresentamos no Rio de Janeiro, no Espaço Aldebaran, casa de nossa querida prima Wlavira Turckzneck, fomos também a Brasília no V Encontrar, na asa sul, estivemos em João Pessoa na festa da granja Jardim Alforria, uma grande festa particular, participamos da 7º e 8º Mostra Alagoana de danças que saiu em caravana pelas cidades de Viçosa, Arapiraca e Penedo, além é claro de Maceió, onde tivemos a oportunidade de nos apresentar no maior teatro da cidade para um público de 1.500 pessoas, que nos aplaudiram de pé. No final de 2010 ministramos uma oficina na Universidade Federal de Alagoas, para o curso de licenciatura em dança e fomos representar os ciganos de alagoas no 2º Seminário Alagoano da Diversidade de Sujeitos e Igualdade de Direitos no SUS, a convite da Sra. Ana Maria Costa, representante do ministério da saúde em Brasília e de autoridades do SUS em Alagoas. E no último final de semana participamos do dia nacional do voluntariado, no qual fomos convidados pela fundação Bradesco a realizar uma apresentação para a comunidade carente.

Quais as próximas apresentações do Leshjae?
Já fomos convidados para a 9º Mostra de danças de Alagoas, e outros convites em que estamos estudando as datas, mas de antemão dizemos que este ano será um grande ano para a comunidade no país inteiro. Estamos programando o lançamento de nosso CD.

Veja a magia e todo o encanto cigano do Leshjae: Clique aqui

  

Por Jhade Mattos


 

 

 

 

Comentários   

 
0 #2 claudia,adorei 20-12-2013 14:04
:lol: gostaria muito de contratar o grupo, já fiz um contato com a Ane mas ela não me deu retorno e os dois números de contato que tenho só dá fora de aréa. Por favor entrem em contato comigo,meus números são:(82)8861536 4 e (82)88466872.Gr atadesde já Claudia Figueiredo.
Citar
 
 
0 #1 Lillian 12-11-2013 14:16
Gostaria de obter contacto de vcs, para ter informações sobre a dança cigana curso, aulas. obrigado
Citar
 

Adicionar comentário


Código de segurança
Atualizar

Receba nossas atualizações

Nome
E-mail